Joao Anon, Bacharel em Direito
  • Bacharel em Direito

Joao Anon

Goianá (MG)
1seguidor4seguindo
Entrar em contato

Comentários

(83)
Joao Anon, Bacharel em Direito
Joao Anon
Comentário · há 2 meses
@fernandolazarini
Não é bem assim. A maconha é uma planta versátil. Pode-se plantar em casa, ou mesmo incentivar clubes de cultivadores. Não é que nem o café ou tabaco, que precisa de muito espaço. A grande indústria pode se utilizar da maconha, mas ainda é melhor do que o tráfico de drogas, em que há literalmente uma guerra civil acontecendo nas favelas do Brasil. Plus, utilizar a maconha é um direito individual do indivíduo.

Essa questão de você falar em "Sociedade Honesta" é até engraçado. Veja a imoralidade na política. Você acha que nossa sociedade é diferente? Ontem mesmo fui trocar o óleo do carro e reparar uma mangueira, pois estava vazando gasolina. O senhor disse que iria comprar a mangueira e que me repassaria o preço. Paguei e tudo, mas fui verificar o preço dessa mesma mangueira na loja. O senhor simplesmente aumentou o preço em 100 reais. Cometeu um crime, que foi o de estelionato. A corrupção está tão próxima de nosso diaadia que falar em "Sociedade Honesta" chega a ser ilusório!
Joao Anon, Bacharel em Direito
Joao Anon
Comentário · há 2 meses
O @carlosnsantos06 tem uma bola de cristal que prevê o futuro. Ele já sabe tudo o que vai ocorrer caso haja uma possível legalização da maconha. Incrível isso! Só que não é assim que funciona, pois ele demonstra desconhecimento no assunto.

No primeiro ponto ele compara o álcool com a maconha, como que se esta última fosse ocasionar o mesmo problema do que o álcool em questão de saúde pública. Se a gente realizar uma pesquisa mínima, verificaremos que estudos indicam que o álcool é 144 vezes mais mortal do que a maconha. Não há nenhum relato de morte pela consumo da maconha. Plus, ela tem propriedades medicinais. Se o indivíduo for parar no hospital, certamente foi para pegar uma receita de maconha medicinal.

No segundo ponto ele fala que o usuário poderia procurar a planta no mercado ilegal. Amigo, você já viu a qualidade da maconha que é vendida no mercado ilegal? É um prensado cheio de mofo, misturado com cocô de cavalo. Ademais, não se pode prensar a maconha, porque isso destrói suas propriedades medicinais. Acho difícil uma pessoa querer trocar uma maconha original por um prensado do tráfico. Você deixaria de comprar café e procuraria um café na favela, que vem todo estragado? Acho que não. O outro ponto você apenas faz conjecturas, sem prova nenhuma. Bola de cristal. Existem clubes de cultivadores onde a maconha foi legalizada. São pessoas que amam a maconha. Faça parte de um clube que você conseguirá sua maconha boa e barata.

Sobre o plantio, este deve ser livre. O camarada pode plantar o quanto quiser, mas se for vender, terá que fazer o mesmo que todos: pagar imposto. Se ele não paga imposto, caberá o fisco multá-lo. "Aaaah, mas como é que vai fiscalizar?". Simples, ele vai ter que declarar imposto de renda, correto? Como que ele vai provar a origem daquele dinheiro? Vai sonegar, ou vai lavar dinheiro e cometer mais crimes ainda? Dá para fiscalizar sim!

Recomendações

(14)
Shankar Cabus, Analista de Desenvolvimento de Sistemas
Shankar Cabus
Comentário · há 3 anos
Sou suspeito para opinar, não por consumir ou não, mas por achar que o Estado não deva interferir na vida privada dos indivíduos e por ver incoerência nos argumentos de proibição, seja em discussão sobre maconha ou sobre aborto, casamento gay, tatuagem, traje ou qualquer outra exigência que obrigue os indivíduos a se tornarem coletivos. Sou a favor da liberação de tudo que só diz respeito à intimidade das pessoas. Até porque, na intimidade, todo mundo faz o que quer, como já é hoje, mas de forma "clandestina".

Tudo que é diferente da gente, merece morrer (ou nem ter existido). Esse pensamento guia a grande maioria dos debates sociais. São pessoas de um grupo A, que não querem ou gostam de fazer uma determinada coisa X, querendo proibir outras pessoas de um grupo B a fazerem essa coisa X. Sendo que, as pessoas do grupo B não afetariam em nada as pessoas do grupo A, caso fizessem essa coisa X. Então o que as pessoas A tem a ver com a intimidade as pessoas B?

Agora, focando na proibição da maconha, essa é uma herança puramente histórica e cultural. De acordo com nossa história, definimos os padrões de aceitação. Mas num mundo globalizado e multicultural, impor uma cultura é uma forma censura. Isso é interferência.

Então não vou entrar no mérito da diminuição do tráfico ou arrecadação de impostos ou tratamentos de saúde ou diminuição do consumo (como ocorreu em Portugal com a discriminalização). Vou falar apenas sobre o direito de fazer com meu corpo o que eu bem entender, desde que não faça mal ao próximo. Porque esse argumento de "estou pensando no seu bem" não funciona quando somos consumidores de algo que nos faz mal e também mata: picanha, coca-cola, chocolate, cigarro, cerveja, maionese. Isso é incoerência.

Se cada pessoa se preocupasse em fazer sua parte e menos nas escolhas dos outros, viveríamos em paz, cada um na sua. Então falta é tolerância com quem pensa de forma diferente da gente. Aliás... falta mais amor e menos hipocrisia mesmo.

Perfis que segue

(4)
Carregando

Seguidores

(1)
Carregando

Tópicos de interesse

(4)
Carregando
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres

Outros perfis como Joao

Carregando

Joao Anon

Entrar em contato